Fórmula 1

  • Crédito: Felipe Massa/Twitter

    Felipe Massa: aposentadoria confirmada, e sem sucessor imediato.

Sem Massa, Brasil fica sem perspectiva na F1

Piloto oficializa aposentadoria no final da temporada e não tem sucessor no curto e médio prazos
Por: Altair Santos - 04/11/2017 14:15:16
29.260 visualizações

Através de suas contas nas redes sociais, Felipe Massa confirmou neste sábado que se aposenta oficialmente no final da temporada 2017. O piloto não foi chamado pela Williams para renovar e abre a vaga de seu assento, provavelmente, para Robert Kubica. Especulou-se até que o polonês poderia competir no GP de Abu Dhabi, mas Massa, em seu pronunciamento, descartou essa hipótese.

Massa fez a seguinte declaração: "Como todos sabem, depois de anunciar minha aposentadoria da Fórmula 1 no ano passado (2016), concordei em retornar esta temporada para ajudar a Williams. Já aproveitei quatro grandes anos com a equipe, mas minha carreira na Fórmula 1 chega ao fim. Levo tantas boas lembranças comigo, enquanto me preparo para as minhas duas últimas corridas no Brasil e em Abu Dhabi... Estou ansioso para terminar com uma nota alta e me preparar para um novo capítulo na minha carreira."

Massa fecha seu ciclo com 272 GPs (269 largadas), 11 vitórias, 41 pódios, 16 poles e um vice-campeonato na F1, em 2008. Com sua aposentadoria, o Brasil, pela primeira vez, desde 1970, não terá um piloto no grid ao longo de uma temporada completa, a partir de 2018. No curto e no médio prazos também não há perspectivas de que isso ocorra. Quem está mais perto é Sergio Sette Câmara, que compete na F2.

Também há uma nova safra em formação competindo na Europa, que inclui Pedro Piquet (filho do tricampeão Nelson Piquet), Matheus Iorio, Thiago Vivacqua, Christian Hahn, Pedro Cardoso, Guilherme Samaia e Matheus Leist, que, apesar de estar na Indy Light, com perspectivas de correr na Fórmula Indy, também é visto com potencial para a chegar na F1.

Independentemente do talento, esse grupo de jovens pilotos ainda tem um caminho longo para chegar na F1. E se chegar, precisa não repetir o insucesso dos potenciais sucessores de Massa na categoria. Seis pilotos tiverem breve participação: Cristiano da Matta (2 temporadas e 13 pontos), Antonio Pizzonia (3 temporadas e 8 pontos), Nelsinho Piquet (2 temporadas e 19 pontos), Bruno Senna (3 temporadas e 33 pontos), Lucas di Grassi (1 temporada e 0 ponto) e Felipe Nasr (2 temporadas e 29 pontos).

Entre Rubens Barrichello e Felipe Massa também houve pilotos que não conseguiram criar raízes na F1. Entre eles, Ricardo Rosset (2 temporadas e 0 ponto), Tarso Marques (3 temporadas e 0 ponto), Ricardo Zonta (4 temporadas e 3 pontos), Luciano Burti (15 GPs e 0 ponto) e Enrique Bernoldo (2 temporadas e 0 ponto).

Compartilhe



Veja também...

    Deixe um comentário

    Seu e-mail não será publicado. Campos Obrigatórios *

    Publicidade
    Publicidade
    Publicidade